Cobertura de telefonia móvel dentro de estádios da Copa corre risco

O principal entrave é logístico. Assim, devido a problemas na execução das obras, a cobertura de telefonia móvel dentro dos estádios corre alguns riscos. Depois do acordo feito sobre a “cobertura indoor” (emissão de sinal em ambientes fechados) entre o Ministério das Comunicações e as cidades Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, Eduardo Levy, diretor-executivo do SindiTelebrasil, disse que “o sinal vermelho está aceso nessas três cidades”.

Para Cezar Alvarez, secretário-executivo do tal ministério, o governo vem tentando mediar as relações entre as operadoras de celular e a administração de estádios para garantir o funcionamento dos serviços de telecomunicações dentro das cidades-sedes da Copa das Confederações. “Não está no memorando de entendimentos firmado com a Fifa, mas todos nós queremos (…) o melhor sinal de telecomunicações para os espectadores dos jogos”, afirmou.

Atraso
Ainda nas palavras de Levy, o principal problema no Rio de Janeiro e Recife é o atraso na entrega dos estádios. “O risco é alto de não fazermos a ‘cobertura indoor’ porque ainda não conseguimos entrar na sala de equipamentos.” O tempo médio gasto no desenvolvimento do projeto de engenharia e na instalação dos equipamentos é de 120 dias, conforme também informa o diretor do SindiTelebrasil.

Além disso, em Belo Horizonte as discussões envolvem o preço de alocação de um espaço de 200 metros quadrados – área necessária para toda instalação dos instrumentos das operadoras. Mas Cezar Alvarez, nosso secretário, diz que a infraestrutura de telecomunicações será devidamente entregue até 30 de abril. O primeiro jogo da Copa deve acontecer no dia 15 de junho.

Fonte: Tecmundo



Governo discute infraestrutura de telefonia com operadoras e estádios

O Ministério das Comunicações vai se reunir até semana que vem com operadoras de telefonia e responsáveis pelos estádios da Copa das Confederações e da Copa do Mundo para discutir a infraestrutura de telecomunicações desses eventos.
O objetivo é negociar alternativas para desafogar o pesado tráfego de voz e dados nas redes das operadoras em tempos de grandes eventos.
“Estamos trabalhando na soluções desses problemas”, afirmou nesta quarta-feira o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a jornalistas.
O encontro está previsto para o fim desta semana ou começo da próxima. Um dos itens da conversa, segundo Bernardo, é eliminar exigências incabíveis.
Sem citar nomes, o ministro disse que o responsável por um estádio condicionou a instalação de infraestrutura ao patrocínio pela operadora ao time local.
Ao todo, serão seis estádios para a Copa das Confederações e 12 estádios para a Copa do Mundo.
Bernardo ressaltou que serviços de telecomunicações de boa qualidade fazem parte das exigências internacionais para realização desses eventos.
Uma das alternativas para desafogar as redes é a instalação de pontos wi-fi nas cidades que sediarão os eventos. Segundo ele, Londres, que sediou os Jogos Olímpicos de 2012, tinha 700 mil pontos do serviço.
As operadoras de telefonia móvel têm sofrido forte pressão do governo para melhorar a qualidade dos serviços. Em julho, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) suspendeu as vendas de novas linhas por 11 dias de Oi, TIM e Claro em diversos Estados, alegando má qualidade.
Segundo Bernardo, o governo disponibilizou cerca de 170 milhões de reais em orçamento adicional para compra de instrumentos para fiscalização e outros equipamentos.

Fonte: Info Abril