Sistema de Comunicação para Portos

O principal desafio do mercado portuário na região é elevar seu desempenho e eficiência, assim como melhorar sua competitividade para alcançar nível internacional. Isto leva à necessidade urgente de adaptar, planejar e atualizar a infraestrutura portuária reparando-a para atender aos crescentes desafios comerciais, ao crescimento das operações, ao aumento progressivo do comprimento dos barcos de carga que exigem uma capacidade operacional cada vez maior, e às contínuas ameaças à segurança.

As prioridades para se atingir este objetivo incluem:

ESTABELECER COMUNICAÇÕES CONFIÁVEIS

Grande parte das instalações portuárias já têm instaladas bases de redes com fio que estão em uso há anos e ainda servem para comunicações de grandes ativos como guindastes de plataforma e edifícios dentro do porto. Mas hoje, os requisitos de tecnologia estão em constante evolução. É necessário adotar conectividade móvel confiável e contínua que admita os novos aplicativos atuais e do futuro em um ambiente propenso a interferências,
onde 15 minutos de interrupção na conectividade representa até 8 horas de
demora comercial.

ACELERAR A PRODUTIVIDADE OPERACIONAL E REDUZIR CUSTOS

Os portos passaram de simples estações de transferência de cargas para a função de pontos importantes da cadeia logística de transporte, importação, exportação e distribuição. Isto implica sua integração na cadeia produtiva e a movimentação do porto
com um enfoque logístico empresarial que acelere ou diminua o tempo de circulação e armazenagem da carga para atender à programação, mantenha controle permanente de ativos e contêineres e contribua para a redução dos custos, levando em conta que a perda de um contêiner representa até US$1 milhão em custos adicionais.

GARANTIR A SEGURANÇA PORTUÁRIA INTEGRAL

Manter o difícil equilíbrio entre segurança e eficiência, ou seja, sem interromper o fluxo das operações, não é tarefa fácil. A segurança portuária integral inclui proteção pessoal,
industrial e prevenção de riscos. Consiste em detectar, prevenir e responder a qualquer ameaça em tempo real; assegurar o conhecimento da situação em todas as áreas e aspectos
do porto; monitorar e proteger seu extenso perímetro e estar atento ao movimento dos estivadores. Mais dos 45% dos acidentes mais perigosos ocorrem pela congestão do terminal e pela sobrecarga dos contêineres. Os portos passaram de simples estações de transferência de cargas para a função de pontos importantes da cadeia logística de transporte, importação, exportação e distribuição. 

Fonte:oluapmot

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>