Redes 4G começam a operar antes da Copa, diz ministro

Edileuza Soares

Paulo Bernardo garantiu que os entraves com a construção da infraestutura para os novos serviços serão resolvidos antes da Copa das Confederações

As redes 4G vão entrar em operação no Brasil no prazo previsto e antes da Copa do Mundo de 2014, confirma o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Durante passagem por São Paulo nesta quarta-feira (26/09), ele garantiu que há tempo para resolver os entraves com a construção da nova infraestrutura.

Pelos cronogramas estabelecidos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), as operadoras que compraram licenças 4G têm que colocar as novas redes em operação nas seis cidades-sede da Copa das Confederações até 30 de abril de 2013.

Em 31 dezembro de 2013, as rede 4G têm que cobrir as 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Em maio de 2014, o serviço tem que alcançar todas as capitais e municípios com mais de 500 mil habitantes.

As teles reclamam que os prazos estão apertados e cobram rapidez na aprovação da legislação para compartilhamento das antenas para acelerar a construção das novas redes.

O ministro Paulo Bernardo informou que essa regulamentação deverá sair até o próximo mês. Ele espera que as teles fechem um acordo sobre essa questão para que dê tempo incorporá-lo ao Plano Geral de Metas de Competição (PGMU), previsto para ser votado no final de outubro.

Sobre a possibilidade de as teles atrasarem a construção das redes para a Copa das Confederações, Paulo Bernardo disse que o governo está trabalhando para resolver os problemas com antecedência, pois há mais de dois anos para a Copa de 2014.

O ministro também aproveitou para lembrar que as operadoras assumiram o compromisso de construir as redes 4G e expandir os serviços 3G.
“3G vai servir a população por muito tempo. Mas eu acho que as pessoas vão migrar rapidamente para 4G”, afirmou o ministro durante inauguração do data center da Embratel em São Paulo.

Fonte: UOL



Anatel quer acelerar licitações para explorar o sinal 4G no Brasil

Primeiro satélite geoestacionário do país tem 2014 como prazo máximo para ser colocado em órbita.

Por Felipe Gugelmin

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou na última sexta-feira (14) que está procurando meios de agilizar a licitação dos direitos de exploração de satélites no Brasil. A decisão é decorrente da demanda crescente pelo acesso à televisão paga e pela necessidade do país de explorar a tecnologia 4G.

Segundo João Rezende, presidente da agência, já estão ocorrendo conversas com o Ministério das Comunicações para definir os moldes do leilão da frequência de 700 MHz, destinada à implementação da quarta geração da internet móvel. Segundo ele, é preciso que tanto o governo quanto as empresas tenham agilidade para incorporar novas tecnologias e melhorar a rede de comunicações nacional.

A última licitação de direitos de exploração de satélites no Brasil foi realizada em agosto de 2011, cuja fase de conclusão chegou recentemente à sua última etapa. O início de um novo processo estava programado para este ano, porém uma série de fatores fez com que ele tivesse que ser adiado.

A Anatel busca promover o setor de satélites como uma alternativa à infraestrutura terrestre no oferecimento de banda larga no país. Entre os resultados desse esforço está a criação da Visiona, empresa desenvolvida em uma parceria entre a Embraer e a Telebras que tem o objetivo de atender às necessidades do setor e possibilitar transmissões estratégias de defesa.

Satélite em 2014 “não será fácil”
Até outubro deste ano, deve ser iniciado o processo de compra do primeiro satélite geoestacionário brasileiro, informou na última quinta-feira (13) o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão. Segundo ele, não será fácil cumprir o prazo que estabelece como 2014 a data limite para que o equipamento seja colocado em órbita.

Entre os desafios que vão ter que ser enfrentados, está a contratação dos fabricantes, que será feita por “um processo que leve em conta as especificidades técnicas determinadas em um termo de referência”. O dispositivo, que tem custo estimado em R$ 720 milhões, deve pesar seis toneladas e apresentar capacidade entre 50 e 60 gigabytes por segundo, valor que fica acima da demanda atual, que é de 35 GBs — segundo Martinhão, isso deve ser suficiente para suprir as necessidades do país durante a próxima década.

Fontes: Reuters, Agência Brasil

Fonte: Tecmundo



Motorola Solutions realiza hoje testes de radiocomunicação para a Copa do Mundo

A Motorola Solutions realiza nesta segunda-feira, 10, no amistoso da seleção brasileira contra a China, em Pernambuco, um teste de integração dos sistemas de radiocomunicação dos órgãos que farão a segurança (Polícia Federal, PM, SAMU, entre outros) no Estádio José Rego Maciel. Apesar de esses órgãos utilizarem sistemas de rádio de diferentes tecnologias (rádio tetrapol, rádio Nextel, rádio VHF analógico e rádio trk P25), eles poderão se comunicar diretamente, o que facilita possíveis ações conjuntas. Toda a comunicação será passada à Central de Comando e Controle.

A integração operacional foi uma exigência da FIFA para a Copa do Mundo de 2014. O executivo da Motorola Solutions, João Del Nero, acredita que até a Copa das Confederações, em 2013, a radiocomunicação entre todos os sistemas de rádios já estará concluída.

Fonte: Teletime



Gírias mais usadas no PX

Acoplamento – Reunião
Ana maria – AM (amplitude modulada)
Ancorado – Parado
Anel – Primo
Anzol – Polícia Rodoviária
Aparato – Rádio
Asa dura – Avião
Atrás do toco – Só na escuta
Bailarina – Caneta
Baixa freqüência – Telefonema
Balaio – Bagunça
Balançar os queixos – Modular
Banda lateral – Rádio com LSB/USB
Bandeira 2 – Táxi
Banheira – Mar
Barra móvel – Automóvel
Barra náutica – Barco
Basquete – Trabalho
Batom – Mulher
Bicorar – Pedir para falar
Bigode – Homem
Bigode a metro – Pessoalmente
Bigodeira – Interferência
Bobo – Relógio
Botina – Amplificador de potência
Botina branca – Médico
Botina preta – Policial
Botina vermelha – Bombeiro
Break – Pedir oportunidade para falar
Caixa preta – Rádio transmissor
Câmbio espada – Transmissão muito longa
Canaleta – Canal
Capacete – Sogro
Carga pesada – Caminhão
Carga pesada bonequinha – Ônibus
Carvão – Esposo
Centelha – Neto
Chá de urubu – Café Continuar lendo

Mobilidade da força de trabalho para governo

A mobilidade da força de trabalho oferece eficiência de classe empresarial ao pessoal de emergências, com processos e aplicações otimizados para suportar as operações cotidianas e a resposta a incidentes e catástrofes. A combinação de aplicações e equipamentos reforçados, especialmente projetados para segurança pública, e uma conectividade sem fio em tempo real colocam todo o poder da computação e as informações vitais provenientes do sistema de gerenciamento interno diretamente nas mãos do pessoal de emergências e outros trabalhadores de campo. Como parte da última geração de soluções de segurança pública da Motorola, o acesso às informações no local, onde for mais importante, ajuda a tomar decisões mais seguras e inteligentes e a obter resultados positivos mais rapidamente.

Fonte: Motorola