Para Tim “os incomodados que se retirem” parece um bom argumento

Em reunião com as lideranças italianas da operadora Tim, o Ministro das Comunicações, Paulo Renato, foi surpreendido com a proposta da empresa de que o “mercado decidisse” a crise do mau funcionamento. Para a Tim, o mercado tem concorrentes e se os incomodados se retirarem para outras operadoras, o congestionamento se resolve.

Numa ótima resposta, o ministro disse à operadora que, caso levasse uma proposta indecorosa como essa à Dilma, seria demitido. Claro, a proposta pendula entre a ignorância e a safadeza. Não há outras maneiras de interpretá-la.

Se a tomarmos pela improvável ignorância do negociador italiano quanto à natureza jurídica dos serviços de telefonia no Brasil, a proposta se faz absurda porque as operadoras de telefonia funcionam como concessionárias do Poder Público.

No Brasil, por força da Constituição Federal (Art. 21), os serviços de telecomunicações são considerados essenciais, sendo eles de competência da União. As operadoras funcionam como concessionárias do Poder Público que, diante do caráter essencial de tais serviços, deve regular e zelar pelo bom funcionamento dos sistemas e pelo respeito ao consumidor. Esse é o papel da ANATEL.

Analisada pelo prisma do direito do consumidor, a proposta é safada, desonesta mesmo. Sabemos que, no momento de conquistarem novos clientes, as empresas oferecem vantagens ao assinante que possui mais amigos e familiares numa mesma operadora. Os planos são baseados nisso, se tornam atrativos assim.

É inadmissível que uma operadora possa vender mais linhas do que seu sistema é capaz de suportar e, diante do colapso do serviço, encontre como saída sugerir que “os incomodados que se retirem”. Isso configura descumprimento de contrato e transforma aquele argumento inicial de venda num verdadeiro estelionato.

Até agora, entre as operadoras que sofrem o peso da medida da ANATEL, a que mais tem esperneado é a Tim. Talvez por ser a empresa em situação mais grave, para a qual a solução sai mais cara.

Afinal, para quem já vem embolsando injustamente mensalidades por um serviço mal prestado, perder uma boa parcela dos clientes não parece mau negócio. Compensa pelo longo período que passaram vendendo muito mais do que o que tinham para oferecer.

Como consumidores, devemos aplaudir esse raro momento em que o Poder Público parece disposto a agir energicamente a nosso favor. Torçamos para que continue assim e façamos a nossa parte fiscalizando a Tim, a Oi e a Claro que, até segunda ordem, não podem comercializar novos chips.

Fonte: Droider



Anatel anuncia oficialmente a suspensão de vendas da Oi, Claro e TIM

Já as operadoras Vivo, Sercomtel e CTBC terão de apresentar planos de investimentos, caso não queiram ter suas vendas suspensas também

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, anunciou nesta quarta-feira (18/07), durante coletiva de imprensa, que estão suspensas, a partir da próxima segunda-feira (23/07), as vendas de chips e ativações de contas das operadoras Oi, Claro e TIM.

De acordo com Rezende, as vendas só poderão ser retomadas após as empresas apresentarem planos de investimentos dentro de até 30 dias. “É uma medida extrema para arrumação do setor. Queremos que as empresas deem uma atenção especial a qualidade da rede, principalmente com relação às constantes interrupções que têm sido sentidas no mercado. É uma solução extrema”, declarou o presidente da agência. A Anatel ainda vai avaliar dois critérios: completamento da chamada e resolução das reclamações dos clientes.

A decisão de suspensão de vendas no caso da TIM vale para 19 Estados brasileiros: Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins. Já para a Oi serão cinco Estados afetados: Amazonas, Amapá, Mato Grosso do Sul, Roraima e Rio Grande do Sul. Por fim, a Claro não poderá efetuar vendas nos Estados de Santa Catarina, Sergipe e São Paulo.

Já as operadoras Vivo, Sercomtel e CTBC não terão as vendas suspensas, mas deverão apresentar um plano de investimento dentro de 30 dias. Caso as companhias não apresentem planos ou estes não estejam de acordo com o pedido da Anatel, ou, ainda, não sejam concretizados, a agência poderá suspender as vendas destas operadoras também.
A Oi, Claro e TIM representam cerca de 70% do mercado de telefonia móvel no país.

Atualização:

A Oi acaba de divulgar seu posicionamento oficial e afirmou que está comprometida com o desenvolvimento do setor e que está investindo R$ 6 bilhões neste ano. “O plano estratégico de quatro anos da Oi prevê investimentos totais de R$ 24 bilhões, no período de 2012 a 2015.” Continuar lendo

Comunicação de Emergência

A mais nobre utilidade do radio é a comunicação de emergência. Em casos de calamidade pública aonde faltam recursos convencionais de comunicação, o rádio, por sua praticidade pode auxiliar em operações de ajuda, mas o que fazer no caso de emergência? Eu e minha estação estamos preparados? Com quem me comunico? Estaria ajudando ou atrapalhando as comunicações?

Um dos princípios básicos durante uma situação de emergência é fazer de tudo para ser parte da ajuda, e não do problema, para isso antes de sair correndo para o rádio, avalie a situação, tenha certeza que primeiramente você e sua familia não estão correndo risco de vida.

Preparação

Em caso de uma calamidade pública as equipes de ajuda podem estar distantes, ou sobrecarregadas, acarretando demora para o socorro chegar, por isso é importante estar preparado, não somente manter a estação de rádio em funcionamento, mas primeiramente suas necessidades básicas e de sua familia.

Procure fazer um kit de emergência de fácil acesso; É mais prático pegar uma bolsa ou mochila com o básico necessário para emergência do que ficar correndo em casa e procurando o que você precisa.

Idéias de utilitários que podem ser usados em casos de emergência

- Lanterna

- Pilhas extras

- Caixa de fósforo

- Velas

- Canivete

- Kit básico de primeiros socorros (e saber usá-lo!!)

- Pequeno extintor de incêndio do tipo ABC Continuar lendo

Linguagem do Q

Pra quem trabalha com rádio comunicação, é indispensável conhecer a linguagem do Q.
Vamos relembrar?

QAP: Na escuta.
QRA: Nome do operador da estação.
QRB: Distância em km entre estações.
QRC: Pagamento de contas da estação.
QRD: Destino/Origem da estação móvel.
QRE: Horário de chegada ao destino.
QRF: Horário de regresso.
QRG: Freqüência de operação.
QRH: Freqüência variando.
QRI: Tonalidade da transmissão.(de 1=boa a 3=má).
QRJ: Número de documentos a enviar.
QRK: Clareza dos sinais (de 1=péssima a 5=excelente).
QRL: Freqüência ocupada.
QRM: Interferência de outra estação.
QRN: Interferência por estática.
QRO: Alta potência de transmissão
QRP: Baixa potência de transmissão.
QRQ: Manipular mais depressa (Morse).
QRR: Transmissão Automática.
QRS: Manipular mais lentamente (Morse).
QRT: Interromper a transmissão.
QRU: À disposição.
QRV: Preparado/pronto.
QRX: Aguardar na freqüência.
QRW: Freqüência determinada.
QRY: Ordem de chamada.
QRZ: Quem está chamando? (?)
QSA: Intensidade dos sinais(1=péssima a 5=ótima).
QSB: Variação dos sinais.
QSD: Transmissão defeituosa. Continuar lendo